Tendências

Relatório – Sistemas Inteligentes – The Economist

Se você é novo por aqui, pode nos acompanhar assinando nosso RSS feed. Gratos pela visita!

Relatório especial sobre Sistemas Inteligentes da The Economist de Novembro, inicia com a seguinte pergunta:

O real e o digital estão a convergir, trazendo mais eficiência e novas oportunidades, mas é o que as pessoas querem?

E se houvesse dois mundos, o real e seu reflexo digital?

O verdadeiro é repleta de sensores, pegando tudo sobre movimentos, odores. O digital, um edifício construído de software, tem todas as informações que automaticamente agem sobre ele. Se uma porta se abre no mundo real, assim que faz seu equivalente virtual. Se a temperatura na sala com a porta aberta cai abaixo de um certo nível, o mundo digital activa automaticamente o calor.

Esta foi a visão que David Gelernter, professor de ciência da computação na Universidade de Yale, apresentada em seu livro “Mirror Worlds” no início de 1990. “Você vai olhar para uma tela de computador e ver a realidade”, previu.

Google Earth e serviços Street View foram os primeiros a fazer réplicas estáticas de todo o mundo; sensores colocados em vacas de permitem o rastreamento de todos os seus movimentos a partir do nascimento ao matadouro; medidores de energia inteligente dizem aos usuários, em tempo real, se estam consumindo muita energia.

Os muitos usos de smartphones

No entanto, é o smartphone e seu “apps” (pequenos aplicativos que rodam download destes dispositivos) que está acelerando a convergência dos mundos físico e digital.

Smartphones são produzidos com sensores, medindo tudo, desde a localização do usuário a luz ambiente. Grande parte dessa informação é então encaminhada de volta para a rede.
Mas e para que endereço da rede vai essa informação e com qual objetivo? Você sabia disso?!

Apps, por sua vez, são versões em miniatura de sistemas inteligentes que permitem aos usuários fazer uma grande variedade de coisas, desde acompanhar seus amigos a controlar os aparelhos em suas casas.

Os smartphones são também onde o virtual e o real se fundem em uma coisa com outro nome fantasia: “realidade aumentada”.

Baixe um aplicativo chamado “Layar” para o seu smartphone, ligue sua câmera de vídeo, ponto em uma rua, eo software irá sobrepor a imagem na tela com todos os tipos de informação digital, tais como os nomes das empresas na rua ou Se uma casa está à venda.

A próxima grande coisa

Previsivelmente, os projetos mais ambiciosos foram produzidos por gigantes da indústria, especialmente a IBM, Sam Palmisano, onde, chefe da empresa, tornaram os sistemas de smart uma prioridade. Um par de anos atrás, a empresa lançou uma campanha chamada “Smarter Planet”, divulgando a tecnologia digital que tornaria a energia, os transportes, as cidades e muitas outras áreas mais inteligente. Outras empresas seguiram o exemplo, cada um com uma visão diferente refletindo seus pontos fortes.

A Cisco, maior fabricante mundial de equipamentos de rede, está anunciando o “Smart + Connected Comunidades”. Hewlett-Packard, um número em hardware, pretende rodar um “sistema nervoso central para a Terra”. E há uma crescente onda de “inteligentes” start-ups, oferecendo desde serviços de identificação a localização de sensores de dados.

Os governos também se organizam para isso

Muitos países têm passado grandes pedaços de seus pacotes de estímulo em projetos de infra-estruturas inteligentes, e alguns tornaram os sistemas de smart uma prioridade da política industrial. A “internet das coisas”, outro nome para esses sistemas, é fundamental para a “Agenda Digital” de União Europeia . Os principais concorrentes neste mercado são os países que são fortes em fabricação, acima de tudo, Alemanha e China.

Mas esse movimento não apenas benefícia empresas de tecnologia e políticos ambiciosos. Ganhou impulso, porque existe uma necessidade real para tais sistemas. Em muitos países, a infra-estrutura física está a envelhecer, os custos de saúde estão explodindo e o dinheiro está apertado. Usando recursos de forma mais inteligente, pode-se alongar o dinheiro dos contribuintes. Monitoramento de pacientes à distância pode ser muito mais barato e mais seguro do que mantê-los no hospital.

O mais importante, sistemas inteligentes podem muito bem ser a melhor esperança da humanidade para lidar com as suas prementes problemas ambientais, nomeadamente o aquecimento global.
Hoje as redes de energia, sistemas de transporte e sistemas de distribuição de água são, essencialmente, redes burras. Se a rede elétrica somente nos Estados Unidos fosse apenas 5% mais eficiente, quanto se pouparia de emissões de efeito estufa? Algo equivalente a 53 milhões de carros, calcula IBM. Em 2007, suas estradas congestionadas custou ao país 4,2 bilhões horas de trabalho e 10,6 bilhões de litros de gasolina desperdiçados, de acordo com o Texas Transportation Institute. E serviços públicos em todo o mundo perdem entre 25% e 50% de água tratada em vazamentos, de acordo com a Lux Research, uma firma de pesquisa de mercado.

Com tanta coisa para ganhar, o que há para perder?

Privacidade e o risco de abuso por governos corruptos, não democráticos e autoritários. De fato, em comparação com alguns sistemas inteligentes, o dispositivo de monitoramento onipresente teletela no romance de George Orwell “1984″ parece um brinquedo. O herói do livro, Winston Smith, logo teria muito mais dificuldade em encontrar um canto em seu quarto para se esconder de Big Brother.

Por outro lado, críticos temem que os sistemas inteligentes poderão ir pra cima de seus criadores, na forma como o fizeram em “The Matrix”, um filme de 1999, em que os seres humanos estão ligados a máquinas que simulam a realidade para controlar os humanos e se mantém pelo calor e atividade elétrica de seus corpos . Felizmente, esse cenário é provável que se mantenha na ficção científica. Mas os sistemas inteligentes podem ser vulneráveis ao mau funcionamento ou ataques de hackers.

Em terceiro lugar, algumas pessoas temem que aqueles com acesso a sistemas inteligentes serão melhor informados dos sem acesso, dando-lhes uma vantagem injusta. Sr. Gelernter destaca este risco em “Mirror Worlds”.

Existem muitas outras preocupações, e se não forem tratadas poderiam provocar uma reação neo-luditas. O mundo já viu um exemplo extremo: um americano que atacou um desafeto, entre cientistas da computação com bombas e e-mail. Dois anos após a publicação do “Mirror Worlds”, ele enviou uma ao senhor Gelernter, que ficou gravemente ferido, embora, felizmente, sobreviveu. Assim finaliza o relatório da The Economist.

Pense…

Aguça a curiosidade perceber que em todos os textos que tratam de tecnologia, não há citação das consequências ( malefícios ) para a saúde humana e animal do bombardeio de ondas eletromagnéticas que todos recebemos.

Ambientalistas internacionais afirmam que várias baleias estão morrendo, por ficarem desorientadas das suas rotas naturais, devido a interferência das ondas eletromagnéticas, e acabam por morrer de cansaço e fome.

Adianta resolver um problema, criando outro?

Melhor: será que ainda não aprendemos a ver os problemas em sua totalidade, continuaremos a destruir em nome de melhor gestionar nossos recursos? Quer sejam humanos,sociais, naturais, econômicos? Que evolução é essa?

Também, se torna evidente que a pergunta inicial deste artigo, não é respondida. Será que é dada a chance das pessoas decidirem sobre seu futuro? Quem está decidindo os rumos do mundo?

Fonte: www.economist.com


Mapa das Redes Sociais Mundial – (2009-2010)

A última edição Vincenzo Cosenza de mapa mundial de redes sociais, aponta Facebook como líder em vários países.

Com base neste mês, Alexa e Google Trends para Websites com dados de tráfego,  postula Cosenza,  Facebook conseguiu superar alguns locais históricos de outras redes sociais em passados alguns meses, particularmente na Europa.

Segundo sua análise, o site agora é líder de mercado em 115 de 132 países .Outras redes sociais em ascensão: LinkedIn e Twitter .

No Brasil predomina o Orkut.

Fonte: techcrunch.com


Novo Mundo, Reestruturação Social e Inteligência Artificial

Kevin Kelly, um dos fundadores da revista Wired, em sua palestra para o TED em Los Angeles, 2007, apresenta os objetivos das grandes mentes da tecnologia para a próxima década.

Por Cristina Cavasotto:

Evidencia-se em Kelly, durante a palestra, o entusiasmo de todo o propagador de idéias, os Evangelistas de Tendências e Marcas.

Os pontos marcantes de sua fala, quando se refere a um novo modelo estrutural de mundo e como as relações sociais estão sendo projetadas para o futuro próximo, foram as seguintes:

  • REVERSÃO DE MACLUHAN

“Caminhamos para ao que chamo de Reversão de MacLuhan ”

MacLuhan disse:

” Máquinas são extensões dos sentidos humanos” e no novo mundo, diz Kelly, ” Humanos serão a extensão dos sentidos das máquinas ”

  • REESTRUTURAÇÃO SOCIAL:

O que a web está fazendo é reestruturando. Em outras palavras, classificando tudo por categorias e assuntos via TAG . E modificando a maneira como nos relacionamos com as pessoas e as coisas.

- LINKANDO COMPUTADORES
- LINKANDO PÁGINAS
- CONECTANDO LINKS
- LINKANDO BANCO DE DADOS ( E agora, a diferença é que conseguimos conectar idéias de páginas e assim de assuntos até chegar a idéias de idéias ).
- LINKANDO COISAS ( Estamos criando uma internet das coisas, diz Kelly).

  • SOBRE UMA PESSOA EM PARTICULAR:

“Cada um terá uma ideia sobre a identidade única de uma pessoa. Pois toda a pessoa ou objeto terá algo que será muito específico e conectará a uma representação específica daquela ideia ou objeto”.

  • NÓS SEREMOS DEPENDENTES:

“Para a total personalização, o Novo Mundo precisará de total transparência. Para haver ganhos, precisamos compartilhar”.

O QUE O GOOGLE REALMENTE QUER , É CRIAR UMA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL ( Larry Page)

Portanto, esse Novo Mundo deverá ser:

+ SMARTER ( mais inteligente )

+ PERSONALIZADO

+ UBÍQUO

Kelly nos faz crer que devemos pensar nessa nova máquina ( como chama ), não como a web que conhecemos, mas como um sistema completo. Um organismo mais confiável que suas partes.

Pense, se suas partes não são confiáveis, como o sistema será? O sistema terá a capacidade de análisar e tecer conclusões? Se sim, Kelly que por vezes cita e deixa o assunto da construção de certa “consciência” ( que talvez seja artificial ) de lado, acaba por apontar o próximo estágio desse sistema que nós todos estamos inconscientemente ajudando a construir.


  • FINALIZA DIZENDO O SEGUINTE:

Há apenas uma máquina ( que denomina: UM ) e a Web é o sistema operacional. Todas as telas olharão para dentro desse ” UM “. Nenhum bit viverá fora da web. Devemos compartilhar para ganhar.”

O ” UM ” somos nós e nós estamos no ” UM “.

Veja, nessa última afirmação acaba por deixar claro a dependência dos humanos e a independência do ” UM “.  O que acontece com aqueles que não estão no ” UM “? Com os que não tem acesso ou não estão familiarizados com o mundo digital?

Esse ” Um ” está sendo projetado para estar a serviço de quem? Quem o está construíndo, para que fim? A iniciativa privada determinará como devemos nos relacionar no futuro?

Por fim,  podemos concluir que o ” Um ” vai além de ser uma ferramenta de informação e comunicação. O ” UM ” pretende padronizar as estruturas e formas de conhecimento, educação, relacionamento, comunicação…. uma reestruturação das formas micro e macro econômicas da vida.
“Cada um terá uma ideia sobre a identidade única de uma pessoa. Pois toda a pessoa ou objeto terá algo que será muito específico e conectará a uma representação específica daquela ideia ou objeto”.

Portanto, o ” Um ” talvez esteja sendo modelado para ser “onipresente e onisciente” e talvez saberá mais de nós, que nós mesmos.  Pense nisso…

______

Kevin Kelly foi editor executivo da Wired Magazine e é o “Editor-At-Large” para aquela revista. É o autor do livro “Novas Regras para uma Nova Economia” e um dos mais influentes propagadores da idéia de uma sociedade conectada em rede. Clique  aqui para obter grátis “Out of Control”, o primeiro livro de Kevin Kelly, publicado em 1994.


Kotler – Empresa 3.0 aprende com o Cliente

Philip Kotler, autoridade mundial em marketing, falou na ExpoManagement em São Paulo sobre seu livro: Marketing 3.0 e novas tendências.

  • O livro é uma tentativa de cobrir as mudanças com o advento da internet, Web 2.0 e das redes sociais, propondo um caminho para as empresas administrarem suas práticas no futuro.

Iniciou falando sobre a tendência da perda da efetividade dos investimentos em marketing e explicou que ainda existem 2 tendências para a área para os próximos anos:

  1. Orçamentos menores para investimento
  2. Exigência por maiores retornos para os investimentos (ROI).

Hoje o consumidor insatisfeito pode influenciar sua rede de contatos a ter uma atitude negativa em relação a uma empresa. Por outro lado, enfatiza Kotler, “se você cria um caso de amor com seus clientes, eles mesmos se encarregam por fazer a sua publicidade”. São os chamados evangelistas de marca.

Kotler então propõe uma nova filosofia empresarial, na qual as companhias precisam compreender seus clientes e absorver suas demandas através da construção colaborativa de produtos e processos.

Por fim, a “empresa [3.0] se preocupa com a situação do mundo e quer contribuir para um mundo melhor”, conclui Kotler.

Portanto, temos mais um pensador que corrobora com a afirmação de Peter Druker em 2001: ” No futuro a sociedade será mais importante que as empresas”.


Brasil – Ibope revela influência das redes sociais na decisão de compra

Twitter e Facebook com 25% de influência na decisão de compra.

Finalmente dados brasileiros sobre comportamento e consumo!

Recente pesquisa do Ibope realizada com 8.561 internautas de onze regiões metropolitanas do país revelou que as redes sociais, como Twitter e Facebook, influenciam na decisão de compra de 25% dos internautas.

No Rio de Janeiro sobe o número,  onde as redes influenciam 33% dos brasileiros que usam a web.

Os dados apontam ainda que 83% dos entrevistados compartilham conteúdo nas redes; 44% avaliam, comentam e participam; 10% editam, moderam e influenciam e 96% leem, ouvem e assistem.

Fonte: Exame

Related Posts with Thumbnails

  • Fabebook Zope Twitter Zope Zope Youtube
  • Copyright © 2010-2013 - Zope Mídia Gestão Digital e Eventos LTDA - Av Prefeito Evandro Behr, 4400 - Camobi - Santa Maria, RS || +55 (55) 9128 - 5688 / (51) 8188 - 4487 || .... CNPJ: 12.368.660/0001-09
    iDream theme by Templates Next | Powered by WordPress